Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O meu sótão é cor de rosa

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. O meu sótão é cor de rosa. Leonor Teixeira, a Ametista

O meu sótão é cor de rosa

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. O meu sótão é cor de rosa. Leonor Teixeira, a Ametista

Fantasma

Disseste que a vida nos fatigava a pele e matava as ilusões arrastadas pelos corpos entranhados no tumulto das mentes, encruzilhadas, e eu não percebi o significado dos sonhos que me detiveram para sempre. Perdi-me entre a vida e o destino, segui por uma estrada tenebrosa sem sinais e deixei tudo de mim pelo caminho. Esqueci-me que as quimeras já morreram e que o princípio é o fim de todas as coisas. Tornei-me na sombra dos meus passos que se embrulharam na demora, pelo chão que se me escapou na fúria de voltar a ser feliz.

Tarde demais. Havia imagens distorcidas nos espelhos que circundavam os lugares por onde vagueei, cheirava a morte das almas nas veredas. Tranquei-me em castelos assombrados, o pó e a cinza rodopiavam nos recantos, as escadarias iam tombando atrás de mim. Fiquei presa às torres ainda de pé, deixei-me embeber por um desmaio sufocante mas, ao longe, um rio de águas mansas inundou as brumas, chegou até mim devagarinho, ganhou um rosto indecifrável e disse-me bem baixinho, a ondular, que na penumbra das noites há magia. Foi um mistério que me permitiu transformar, ganhei asas púrpura de veludo e voei como um pássaro ferido até às cabanas abandonadas das florestas, aquelas das minhas histórias de encantar.

Afinal, não morri nas madrugadas. Ainda estou viva para os meus sonhos de criança. E tu, tu que me perseguiste nas palavras não eras mais do que o fantasma da minha inércia, abençoada pelos relógios que pararam.

por Leonor Teixeira, a Ametista

Um amor pela metade

Dizem que um grande amor nunca se esquece.

O que fica, então, de um amor vivido pela metade? O que sobra de um meio amor? Duplicam-se as sensações numa só alma, é o dobro da angústia, da agonia, resta a mágoa das memórias que não foram.

Que amor subsiste num coração que bate na distância, que quebra na nascença da ausência, morre na solidão que lhe merece? O autêntico, o supremo, aquele amor, o que vive das lágrimas perdidas no silêncio, do sangue derramado nas paredes de um quarto vazio e sem tecto.

Onde está o céu que se contempla de uma cama sem lençóis amarrotados? Não há pétalas de rosa em seu redor, as velas apagam-se na fuga do frio do soalho entorpecido pelos passos da demora.

Morrem as estrelas sorridentes numa madrugada quente de Setembro, são agora fantasmas do infinito.

                                                                                                                                                                                                    

1 de Setembro de 2014

por Leonor Teixeira, a Ametista

por: Leonor T, a Ametista

img1514942427922(1).jpgo outro lado do sótão

queres entrar?

os meus livros queres comprar?

ametistaleonor

ametistaleonor

não copie ou altere; respeite os direitos de autor

índice.jpg

comentários arrecadados

  • Ametista

    Querido Cúmplice, Obrigada por passares pelo meu s...

  • cumplicedotempo

    De acordo com tudo o que disseste, e mais encantad...

  • Ametista

    Querida Green,Obrigada por passares por aqui.. É s...

  • green.eyes

    Querida Leonor,É sempre um prazer ler um texto teu...

  • Ametista

    Obrigada.. desculpe o tardio da resposta. Sabe? Já...

esconderijos do sótão

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2012
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2011
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2010
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2009
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2008
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2007
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

IMG_20151228_150612.JPG