Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

No meu sótão mora uma vendedora de sonhos

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. O meu sótão é cor de rosa. L.T.

No meu sótão mora uma vendedora de sonhos

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. O meu sótão é cor de rosa. L.T.

Encontro desencontrado

A campainha tocou naquele fim de tarde de Julho. Laura abriu a porta e Duarte entrou. Olharam-se durante breves instantes e acabaram num abraço de saudade, longo e apertado.

 

- Que linda.. - disse Duarte numa expressão ternurenta.

- Obrigada - respondeu Laura.

- A casa... mas tu também... - retorquiu Duarte com aquele sorriso matreiro que lhe era peculiar.

Laura acompanhou-o até à sala e sentou-se. Parecia manifestar uma certa timidez mas, ao encostar-se comodamente no sofá, começou a declarar a razão da sua visita.

- Estar aqui é um sonho tornado realidade.

- É verdade o que me dizes ou brincas, como sempre o fizeste?

- Preciso dizer-te a verdade. Fazes ideia de quanto tempo esperei por este momento?

- Não calculo e não consigo sequer imaginar. Este momento parece-me surreal. Mas fala, então.

- Sabes que há muitos anos, era eu miúdo, achei-te linda quando te vi pela primeira vez. E o meu coração bateu.

- Apesar de me parecer impossível, é quase inacreditável que só mo digas agora.

- Naquela tarde estava sol. Recordo-me como se fosse hoje. Estava sentado numa mesa da esplanada da praça... aquela que costumavas frequentar...

- Lembro-me que ia sempre a essa esplanada nos fins de tarde...

- Tu chegaste, alegre e descontraída como sempre, acompanhada de uns amigos que eu também conhecia. Aproximaste-te e sentaste-te.

- É natural. Sempre fui assim, bem disposta. E disse boa tarde com certeza. Digo sempre.

- Disseste. Mas não olhaste para mim. Nunca olhaste.

- É provável. Eras mais novo.

- Sim, era novo e idiota como os miúdos daquela idade. Tu, mais velha e madura, como poderias olhar para mim?

- Tens razão. Não olhei para ti. Não naquela altura. Mas uns anos mais tarde, não me foste indiferente.

- Já lá vão alguns anos, sim. Mas sempre que me aproximava, tu fugias.

- Verdade seja dita. Eu fugia mesmo. Porque quando te encontrei ao fim de tanto tempo e te vi a sorrir para mim, o meu coração bateu mais forte.

- E que razão era essa que te fazia fugir de mim?

- A minha razão. Afastar-me de ti seria a melhor atitude para contrariar o sentimento que começava a germinar dentro de mim...

- Sabes, já passaram muitos anos depois daquela tarde. E outros tantos depois do nosso reencontro. Agora, sou aquilo que vês e já não tenho tempo...

- E eu sou aquilo que sempre fui, apesar das mágoas que foram surgindo ao longo do meu percurso.

- E o destino mudou o rumo à minha vida.

- Não alterou apenas o rumo da tua vida. O destino desviou os nossos caminhos. Existe alguma força superior que não quer que nos juntemos. Lamento por ti, lamento por mim. Lamento por nós.

- Eu também. Muito mesmo.

- És feliz, por acaso? - perguntou Laura sem pensar.

- Tento ser.

- Desculpa dizer-te, mas se tentas ser é porque não o és. Não na sua verdadeira essência.

- Tenho alturas em que sou.

- Tens momentos, o que é demasiado importante. Posso, então, confessar-te uma coisa?

- Sim, podes e deves.

- Foste o meu príncipe encantado. Terias sido até sempre. Foste o homem que quis para ficar a meu lado. Mas transformaste-te num sapo - soltei um riso suave.

- Se pudesse, mudava-me hoje mesmo para aqui, mesmo sendo um sapo - sorriste.

- Nunca. Não quero partilhar o meu espaço com ninguém. As relações saudáveis já não existem. O namoro é mais duradouro, aquele em que cada um vive na sua própria casa.

- Mas estar aqui contigo faz-me esquecer o mundo lá fora. Se bem que agora é tarde.

- Posso perguntar-te porque é que não lutaste por mim, já que o que sentias era assim tão imenso?

- Porque sabia que iria ser em vão.

- Nada é em vão. Há que tentar conquistar quem para nós é deveras importante.

- Não conseguiria. Como já disse, nem para mim olhavas. Eu para ti não existia.

- Disseste há pouco que agora é tarde. Mas nunca é. Não para tentar recuperar o que se perdeu. Não para se ser feliz. Mas, neste caso, até és capaz de ter razão. Provavelmente, é mesmo muito tarde.

- Sim, o nosso encontro chegou a más horas e nada entre nós vai ser possível.

- Sensato da tua parte. Além disso, a nossa diferença de idades é grande e depois eu ficava velhinha. Já tu... - Laura brincou com uma tristeza no sorrir.

- Poderias até ter setenta anos, que eu iria sentir por ti a mesma coisa... - disse Duarte com uma lágrima no olhar.

- Sempre gostaste de brincar - disse Laura com um nó na garganta.

- Não chores agora, por favor - pediu Duarte, com um sorriso triste.

- Não...

- Eu tinha de dizer-te tudo isto, fosse em que altura fosse e em que dia fosse. E foi hoje.

- Mas porquê tantos desencontros? Temos estado tão perto um do outro e ao mesmo tempo tão longe. Porque é que a vida é tão cruel?

- Não sei.

- Podíamos ter ficado juntos. Podíamos ter sido felizes...

- Podíamos, dizes bem. Porque eu não tenho nada para te dar...

- ... - Laura não conseguiu proferir uma palavra.

- Tenho de ir trabalhar. A minha hora de jantar já terminou. - disse Duarte ao olhar para o relógio.

- Mas não jantaste...

- Tinha de falar contigo. E poderia não ter tempo noutro dia qualquer.

- Já vais, então..

- Sim...

 

Laura acompanhou-o até à porta e o seu abraço repetiu-se, desta vez menos longo e mais suave. Ao vê-lo sair teve a certeza de que, depois de tantos desencontros entre ele e ela, um encontro como aquele não voltaria a repetir-se.

 

 

(Texto fictício escrito para a Fábrica de Histórias)

por Leonor Teixeira, a Ametista

12 comentários

Comentar arquivo

Pág. 1/2

por: Leonor T, a Ametista

img1514942427922(1).jpgo outro lado do sótão

queres entrar?

os meus livros queres comprar?

ametistaleonor

ametistaleonor

não copie ou altere; respeite os direitos de autor

índice.jpg

comentários arrecadados

  • Ametista

    Olá Green, gosto sempre de voltar...A esperança é ...

  • green.eyes

    Olá Ametista, já há tanto tempo que não te via por...

  • Ametista

    Oh Flor, obrigada. Deixas-me sempre palavras tão b...

  • DyDa/Flordeliz

    Já estive aqui .Li, e...Parti. Faltaram-me palavra...

  • Ametista

    Obrigada, Green Beijinhos

esconderijos do sótão

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

IMG_20151228_150612.JPG