Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O meu sótão é cor de rosa

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. L.T.

O meu sótão é cor de rosa

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. L.T.

30 de Fevereiro

Num qualquer dia trinta de Fevereiro cruzei-me comigo mesma por entre caminhos assombrados. Em cada um deles uma imagem, um ruído. Percorri espaços estreitos vezes sem fim. Em cada esquina braços estendidos tentavam alcançar-me, vozes em uníssono faziam soar o meu nome. Risos sarcásticos ouviam-se ao longe, gargalhadas repetidas por entre muros erguidos do vazio. Gritos doentios ecoavam sem parar, rostos alucinados cruzavam-se à pressa por entre a escuridão. Surgiam fantasmas de todos os lados, silhuetas disformes chamavam por mim.

Perdi o rumo, esqueci a minha identidade. Estradas sem saída, direcções cruzadas por entre o desconhecido. Perdi-me do mundo, entrei em delírio e atravessei o labirinto repetidamente, sem parar. Uma sombra vinda do nada acenou-me num adeus incessante. Não sei quem era, não sei o seu nome.

Parei, exausta. Respirei ofegante e estendi-me no chão frio num completo desvario. Adormeci num sono agitado. Passaram as horas, os dias, os meses. Os anos ficaram suspensos num passado ignorado. Memórias em branco perdidas aqui e ali, num lugar qualquer que não existia.

O meu corpo esguio manteve-se inerte à espera de luz e silêncio. E o tempo correu veloz.

Muito tempo depois, tanto que não sei quanto, num qualquer dia trinta de Fevereiro, um pedaço de sol despontou por entre as nuvens que ofuscavam o labirinto. O dia era o mesmo, a noite também, passagens de uma história vivida num sono demorado onde o surreal tinha tido o papel principal.

Nesse mesmo dia, a trinta de Fevereiro, encontrei a saída e descobri um mundo novo.

O sol punha-se num horizonte onde as cores se misturavam de uma forma mágica. A chuva caía, gotas de púrpura cruzavam-se com raios de um sol cor de rosa. O céu atravessava o mar por entre um fogo generoso e assim nascia a noite, quente como eu sempre gostara. Conseguia vislumbrar uma lua azul e as estrelas dançavam no céu pintadas de arco íris. Senti o aroma do iodo que se espalhava no ar por entre um vento que começava a ganhar rosto. Tinha o olhar do silêncio e o sorriso de uma nuvem. Afundei os pés numa areia que passou de dourada a branca como a neve e mergulhei numa liberdade que nunca sentira. Consegui tocar-lhe, tinha cor, era rubra como a mais tórrida das paixões.

Senti-me levitar e voei, dancei sobre um mar transparente no qual me estendi. Vi-me num cenário de ondas de cristal frente a uma plateia de corais onde os fantasmas do meu sono se transformavam em sonhadores como eu, ganhavam asas e voavam até à ilha que inventámos juntos. Os gritos doentios de outrora davam lugar a cânticos suaves nunca antes escutados, os risos sarcásticos eram agora sorrisos ternos, tão ternos que me pareciam algo transcendental. As silhuetas disformes surgiam perfeitas e frágeis, vestidas da cor da paz.

Naquele dia trinta de Fevereiro, elevei-me na fantasia de uma dança eterna na praia. E pedi ao calendário da vida:

'Não acabes, dia trinta de Fevereiro, não acabes e deixa-te ficar comigo, deixa-me ficar contigo, deixa-me ficar aqui, deixa-me ficar assim.'

E o tempo parou num abraço entre o pesadelo e o sonho, tão reais como um dia qualquer que não existe, nascido do mais belo feitiço a que pude assistir.

 

 

(Parte do texto foi escrito em 13 de Agosto de 2009 e agora adaptado para a Fábrica de Histórias)

por Leonor Teixeira

(a Ametista)

14 comentários

Comentar arquivo

Pág. 1/2

por: Leonor T, a Ametista

img1514942427922(1).jpgo outro lado do sótão

queres entrar?

comentários arrecadados

  • Ametista

  • Ametista

    Verdade... memórias que já não voltam Beijinho

  • Anónimo

    Palavras muito bem escritas, como sempre. Adorei. ...

  • Anónimo

    Ao ler-te, chorei...não consigo escrever mais nada...

  • Happy

    A saudade de pessoas a quem queremos ou quisemos b...

esconderijos do sótão

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

os meus livros

ametistaleonor

ametistaleonor

IMG_20151228_150612.JPG

a posição d'o sótão