Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O meu sótão é cor de rosa

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. L.T.

O meu sótão é cor de rosa

Às vezes, de noite, subo ao telhado do sótão, sento-me a ver as luzes da cidade e o frenesim do fim dos dias e penso que gostava de ficar ali para sempre. L.T.

Parar o tempo

Se eu pudesse parar o tempo pararia num dia primaveril soalheiro, onde os sorrisos de família entravam pelo alpendre com o chilrear dos pássaros nas manhãs e o cheiro a flor de laranjeira.

Se eu pudesse voltar atrás, bem lá longe nos anos, voltaria num fim de tarde de Verão para buscar as alegrias de criança na roupa suja acabada de brincar.

Se eu pudesse, ai se eu pudesse voltaria aos dias de teatro nos quintais, às partidas no sótão cor de rosa e às escondidas no olival para lá dos canteiros.

por Leonor Teixeira, a Ametista

Avó, volta depressa para nós

Ontem, ao ver-me chegar, a minha avó rasgou um sorriso e, no seu olhar azul celeste, perguntou-me:
- Ó meu amor, casas comigo?
E eu respondi:
- Sim, minha querida...
Depois, a minha alma chorou...

Desde esse dia, não voltei a ver o seu sorriso nem o brilho do olhar, aquele da cor do céu. Apenas um sono sereno numa cama de hospital...

Minha querida avó, volta depressa para nós...

 

 

17 de Junho de 2014

por Leonor Teixeira, a Ametista

Voltar a ser criança

Querida mãe e querida avó,

 

Venho pedir-vos que me deixem ser criança até sempre.

Quero acordar de manhã, ficar nos vossos braços durante tempos infindos e receber os mimos que só vocês sabem dar.

Quando o sol brilhar, quero dar as mãos às manas e ir com elas para o quintal jogar à apanhada, ao elástico e saltar à corda.

Quero sentir o padeiro chegar e ir a correr para comer o pãozinho fresco. Sentar-me à mesa da cozinha a ver livros aos quadradinhos e, através da janela aberta de par em par, olhar para a avenida com as árvores recheadas de lilases.

Quero ver as lagartixas passarem rente aos canteiros floridos, apanhar as rosas vermelhas do roseiral, pendurar-me na nespereira e balançar-me até me cansar. Comer as laranjas e as tangerinas fresquinhas e saborosas e respirar o cheirinho da flor de laranjeira na Primavera.

À tardinha, enquanto o sol se vai escondendo lá ao fundo, quero brincar ao jogo das palavras e construir as casinhas de lego que vou inventando.

Quero que me deixem escapar para o olival acima do nosso quintal. Trepar pela figueira grande e esconder-me por entre as árvores enquanto vocês, minhas queridas mãe e avó, chamam por mim. Quero construir uma casinha no meu 'bosque'. É o cantinho onde guardo os meus segredos.

Quero brincar com os nossos gatinhos, apertá-los docemente nos meus braços e não os deixar partir.

Quero ir a pé para a escola sem medo e deixar as portas de casa abertas. Quero aprender a ler, a escrever, a desenhar, a pintar. Quero soltar gargalhadas de alegria nos intervalos e fazer uma roda de harmonia com os meninos e meninas da minha aula.

Depois da escola, quero ir com as manas e os amiguinhos à feira de Março andar no carrossel e nos carrinhos de choque, correr sem parar, cantarolar e comer algodão doce.

Nas férias grandes quero pôr a mochila às costas e, bem cedinho, caminhar saltitante até às piscinas para mergulhar, nadar e fazer golfinhos.

Quero ir à praia respirar o cheirinho do iodo, chapinhar à beira mar e construir castelos na areia até o sol se por.

Nas noites quentes de Verão quero subir ao telhado da nossa casa, sentar-me a ver as estrelas e deixar-me ficar a sentir a luz da lua.

Antes de adormecer quero que me leiam uma história de encantar, querida avó e querida mãe, e no final trocar convosco beijos de ternura.

Quero continuar a ser criança. Quero continuar na inocência, quero continuar a brincar.

 

 

(Texto escrito para a Fábrica de Histórias)

por Leonor Teixeira, a Ametista

Dia da Mana

A minha muito querida amiga Ónix faz anos hoje.

 

Este dia tem pouco ou nenhum valor para a minha irmã Guida, porque significa mais um ano vivido e outro a menos por viver. Mas o importante é que estamos aqui e os laços que nos unem não deixam enganar...

 

Feliz aniversário, mana!!!

 

Aquele abraço...

 

Adoro-te...

Forever... 'til the end of time...

por Leonor Teixeira, a Ametista

Primavera

Há pressa no quintal da casa da minha mãe.

As flores do canteiro teimam em desabrochar. A terra insiste em secar depois da rega invernosa. Na flor de laranjeira que brota, poisa uma abelha em busca de néctar. Há um aroma fresco espalhado no ar.

No varão, a roupa estendida esvoaça e enxuga ao sabor da aragem matinal. Abrem-se as janelas de par em par e afastam-se os cortinados para o sol entrar. Arrastam-se móveis, lavam-se paredes, mudam-se as cores do cenário do lar.

Os gatos vadios miam no telhado e lutam por um lugar quente.

Os velhinhos passeiam na avenida e sentam-se nos bancos do jardim das rosas. Enquanto recordam tempos de outrora, crianças brincam no parque e soltam gritos de alegria.

No final da tarde enchem-se as esplanadas, há conversas amenas e lançam-se sorrisos no ar. Preparam-se caminhadas, planeiam-se viagens, fazem-se as malas para passear.

Os patos chapinham nas águas do rio. Esperam pelo pão de quem se debruça para os alimentar.

Os namoros florescem, multiplicam-se os beijos, cresce a vontade de dar e receber. 

À noite, trocam-se afectos na pérgula. É tempo de amar.

Cheira a lilases dentro da casa da minha mãe.

À porta, respiro a Primavera que nasce.

 

 

(Texto escrito para a Fábrica de Histórias)

por Leonor Teixeira, a Ametista

Mana, criei um Blog!

 

Hoje é um daqueles dias de loucura total!

Loucura no sentido de querer ter tempo para tudo e não ter tempo para nada.

Afinal, depois de dois turnos no espaço de vinte e quatro horas é obra, principalmente quando um deles foi deveras desgastante. Depois do desgaste total, ficar a trabalhar até de manhã deixa qualquer um de rastos.

Isto para dizer que voltei a fazer alterações no meu blog e que cada vez me sinto menos satisfeita com o resultado das mesmas. Não tarda, torno a mudar o template e volta tudo ao início. Ou reinício?

O que eu queria dizer realmente não era nada disto mas sim que, nos últimos tempos, tenho tentado convencer a minha irmã Guida a criar um blog porque acho que a 'gaja' tem jeito para escrever. Muito jeito mesmo. Atenção! Não é por ser minha irmã.

E não é que ela me ligou há umas horitas a dizer que já tinha criado o dito blog mas que não percebia nada disto?! Calculei logo a cena, porque isto das configurações tem muito que se lhe diga.

Mas já fez um post que, por sinal, adorei. A minha maninha tem mesmo veia poética! Ora aqui está o endereço:


margaridaduarte.blogs.sapo.pt/

 

Para além disto, o meu amigo segredobemguardado regressou em grande à blogosfera, portanto já posso divulgar o seu novo espaço! Aqui está ele:

 

sonoesonho.blogs.sapo.pt/

 

E eu bem queria ter comentado os seus dois últimos posts mas, sinceramente, não tive ainda tempo para fazê-lo. Mas aproveito para agradecer-lhe o facto de me ter adicionado mal colocou o seu blog a público. Sinto-me mimada!

Enfim! Estou francamente feliz pela minha maninha linda. E também pelo meu amiguinho segredo.

 

Felicidades para ambos!

 

 

 

por Leonor Teixeira, a Ametista

A minha família que Amo mais que tudo

 

Não consigo dormir... os meus pensamentos são um turbilhão de emoções...
Penso e volto a pensar... e não sei o dia de amanhã. O mais importante é a minha família e é ela que me preocupa a cada momento que passa. A minha avó está doente.
A minha mãe é uma mulher de aço.... grande mulher... inquebrável ao longo de toda a sua vida. Caracterizo-a de mulher forte, sempre firme, com carácter e cheia de coragem.
As minhas irmãs são diferentes. A minha irmã do meio, de personalidade vincada, mas pessimista perante a vida. A minha irmã mais velha, sensível e revoltada com o destino. Já eu, a mais nova, sentimentalista e rebelde. Mas todas com carácter, modéstia à parte. E a nossa postura mantém-se dia para dia, apesar da nossa vontade de quebrá-la tantas vezes.
O nosso sofrimento presente está centralizado na minha avózinha, mas a minha maninha mais velha preocupa-me mais do que nunca. Mas eu acredito que o destino não a vai atraiçoar e o resultado do exame que fez ontem vai fazer com que volte a sorrir. Acredito plenamente que vai voltar a ver os espectáculos de música em lisboa, que tanto adora, e ver os jogos do benfica sempre cheia de entusiasmo. Deixá-la gritar com os golos do seu clube! No fundo, todas somos do benfica. Já vem dos tempos do meu avôzinho, que já não está entre nós.
Desabafei, pronto! Estava a precisar.
Amanhã é um novo dia.
Mas não será somente mais um dia? Quem dera que fosse bem diferente. Com notícias cheias de esperança e que pudessem alegrar os nossos corações angustiados. Os corações das mulheres da minha família...
O meu amor por todas vós é infindável...

 

 

por Leonor Teixeira, a Ametista

Infância, que Saudades!

 

São tantas as saudades da minha infância...

Quando brincava com as minhas irmãs no quintal da minha mãe...

Até de ver as lagartixas passarem rente aos canteiros eu sinto saudades.

De me pendurar na nespereira (que já não existe) do quintal de cima e comer as laranjas e as tangerinas saborosas das árvores que ainda hoje estão lá.

Que saudades de me escapar para o olival acima do nosso quintal!

Trepar pela figueira que dava acesso à 'nossa pequena floresta' e esconder-me entre as árvores quando a minha mãe e a minha avó chamavam

por mim.

Que saudades do 'meu bosque'...

Saudades de saltar ao muro de acesso à casa do meu vizinho para jogarmos à apanhada.

De tantas vezes saltar, cheguei a partir a cabeça.

Saudades das peças de teatro que eu e as minhas manas inventávamos com as nossas vizinhas. A representação era no quintal e eu era sempre o gato, claro.

É o que faz ser a irmã mais nova.  

Brincámos tanto no sótão das vizinhas às escondidas.

Saudades de saltar à corda e jogar ao elástico e à tardinha jogar ao monopólio e ao jogo das palavras (quando já éramos mais crescidinhas).

Saudades dos gatinhos que tivemos.

O quanto chorámos quando partiram...

Saudades das portas de casa abertas e de ir a pé para a escola sem medo.

Saudades do cheirinho da flor de laranjeira na Primavera...

Que saudades da inocência...

Que saudades de brincar...

 

 

por Leonor Teixeira, a Ametista

por: Leonor T, a Ametista

img1514942427922(1).jpgo outro lado do sótão

queres entrar?

os meus livros queres comprar?

ametistaleonor

ametistaleonor

não copie ou altere; respeite os direitos de autor

índice.jpg

comentários arrecadados

  • Ametista

    É verdade... e que 'velha guarda'. Era maravilhoso...

  • green.eyes

    Eu acho que 95% da "velha guarda" foi embora…Do no...

  • Ametista

    Ficava aqui para sempre, acreditas? Mas há amigos ...

  • green.eyes

    Já não aparecias a tanto tempo, que já pensava que...

  • Ametista

    Eu vi-te Beijinho grande

esconderijos do sótão

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

IMG_20151228_150612.JPG